2017

2017

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

AGNALDO RAYOL - QUANDO O AMOR TE CHAMA - 1965

Agnaldo Rayol, nascido em Niterói, no dia 03/05/1938, é ator e cantor brasileiro conhecido pela bela voz afinada e de seu repertório romântico, tendo se destacado nas décadas de 60 e 70. Iniciou sua carreira aos cinco anos na grande Rádio Nacional do Rio de Janeiro, no programa "Papel Carbono", onde tantos despontaram para o sucesso. Aos doze anos estreiou no cinema, no filme "Também Somos Irmãos".

O auge da carreira aconeceu na década de 60, com programas próprios na TV Record, entre eles Agnaldo Rayol Show e Corte Rayol Show, ao lado do humorista Renato Corte Real. Foi uma das atrações na edição de estréia do programa Jovem Guarda. Participou do elenco das novelas.

Em 1981, ganhou o Festival Internacional da Canção - FIC, onde participaram cantores de todo o mundo. Também cantou na Argentina, México, Estados Unidos, Portugal e Itália. Fiel ao repertório romântico emplacou dois sucessos nas novelas da Rede Globo: Mia Gioconda (O Rei do Gado) e Tormento d'Amore (Terra Nostra), esta última gravada em Londres com a soprano Charlote Church. No dia 11/05/2007, cantou durante a missa de canonização de Frei Galvão, pelo Papa Bento XVI.

Nesta postagem apresentamos o disco gravado em 1965, "Quando o amor te chama", gravado pela Discos Copacabana, onde consta uma música homônima deste blog, A praia. Outros sucessos se descaram deste disco: Não mereço você, versão de Gianni Morandi e o Princípio e o fim, versão de Ma Vie de Alan Barriere. 

As faixas do álbum são:

1. O princípio e o fim; 
2. Se choras, se ri; 
3. Tem que ser azul; 
4. Não mereço você; 
5. Aventura em Roma; 
6. Caminho das estrelas; 
7. Quando o amor chama; 
8. Jequibau; 
9. A praia; 
10. Mente-me; 
11. Amanheceu e  
12. Querido coração.









quinta-feira, 29 de setembro de 2011

OS FARROUPILHAS - 1963

Há muito tempo atrás eu recebi de um amigo um material retirado de um disco de 78 rotações, editado em 1963, do conjunto Farroupilha, que depois passou a se denominar "Os Farroupilhas". Para quem não conhece esse grupo vocal foi criado na Rádio Farroupilha, em Porto Alegre, no fim da década de 40.

No início restringiam-se ao repertório típico gaúcho com sucessos como Negrinho do Pastoreio, Boi Barroso e Pezinho. Nesse estilo gravaram vários discos, como "Gaúcho", "Gaúchos em Hi-fi" e "Gaúchos na Cidade". Na década de 60 fizeram trabalhos ligados à bossa nova, mudando um pouco o estilo. Entre seus maiores sucessos destacam-se Bolinha de Sabão, de (Orlandivo/ A. de Azevedo), Moça da Chuva, de (Paulinho Nogueira/ R. Moreira), Azul Contente, de (W. Santos/ T. Souza) e Papai Walt Disney.

Sidney Moraes, um dos integrantes, posteriormente lançou "Os Três Morais", juntamente com Jane, que depois formou o "Jane & Herondy" e mais tarde se lançou- em carreira solo como cantor de boleros, com o nome de Santo Morales.
Em meados da década de 80, pouco antes da extinção do grupo, foi substituído por Sabá, ex-baixista dos grupos Jongo Trio e Som Três. Em 1997 o fundador Tasso Bangel criou outro grupo, o Sexteto Brasil de Cordas. Outros integrantes foram Danilo Vidal de Castro, Iná Bangel e Estrela D'Alva Lopes de Castro. Vale conhecer pela raridade e pela memória da música brasileira.

O disco desta postagem foi editado pelo selo Fermata, da gravadora RGE e é composto pelas seguintes faixas:

1. Por causa de você; 
2. O que eu gosto de você; 
3. Azul contente; 
4. Moça da chuva; 
5. Insensatez; 
6. A menina de trança; 
7. Bolinha de sabão; 
8. Isto é bossa nova; 
9. Pequena marcha para um grande amor; 
10. João Sebastião Bach; 
11. Palhaçada e 
12. Vozes e flores.








BEATLES STORY - HQ MARVEL - 1978

Para quem gosta de música e histórias em quadrinhos - HQ, nesta postagem é mostrado uma edição especial, editada em 1978, pela Marvel Comics, intitulado "Beatles Story", apresentado por Stan Lee

Foi produzido e escrito por David Anthony Kraft. Vale como curiosidade e como item de colecionador.









segunda-feira, 26 de setembro de 2011

ARY SANCHES - SEUS GRANDES SUCESSOS - 1971

O cantor brasileiro Ary Sanches, nasceu no dia 16/07/1944, em São Paulo. Começou sua carreira muito cedo. Participou do movimento da Jovem Guarda e tinha o apelido de "Granada Romântica", principalmente em decorrência da bela interpretação que fez da música "Granada". Seu grande sucesso musical foi a música "Contigo Aprendi".

Entre os diversos prêmios que recebeu, está o troféu Chico Viola, de cantor revelação de 1967. Gravou 6 discos no formato LP vinyl e 42 compactos  e participou de diversos programas de TV, entre eles Os Galãs Cantam e Dançam aos DomingosCidade Contra Cidade, Disco de Ouro, Qual é a Música e um dos especiais de Roberto Carlos. Atualmente promove festas para o Clube Atlético Juventus, em São Paulo, relembrando suas músicas italianas preferidas.

Nesta postagem, apresentamos os maiores sucessos da fase da Jovem Guarda, lançadas na gravadora Continental, incluindo alguns bônus com o Brazilian Bitles (banda de Jovem Guarda) retirados de compactos em vinyl. O disco contém as seguintes faixas:

1. Paris em agosto; 
2. A estátua; 
3. Juro por deus; 
4. Tudo acabado; 
5. O adeus; 
6. Lembranças; 
7. Graças a deus; 
8. Vida minha; 
9. Granada; 
10. Pare de chorar; 
11. Olhos azuis; 
12. Se você; 
13. Israel; 
14. Tenezza ternura; 
15. Volare

Bônus (Com The Brazilian Bitles)

16. Faz feliz assim; 
17. O papagaio; 
18. Se você pegar; 
19. Vem meu amor e 
20. O homem só.















 Link:

domingo, 25 de setembro de 2011

THE BEATLES - THE DECCA TAPES - 1962

Decca Tapes foi a primeira gravação feita pelos Beatles em um estúdio profissional. O álbum não foi lançado na época porque a gravadora Decca não assinou contrato com os Beatles. O álbum é encontrado na versão na versão Bootleg somente.
Já como empresário dos Beatles, Brian Spstein era muito conceituado no mundo dos discos, por ser dono de uma das melhores lojas de disco do Norte. Seu prestígio com a gravadora Decca era muito bom e ele conseguiu que enviassem um encarregado de Artistas e Repertórios (A&R) para ouvir os Beatles no Cavern Club em Liverpool. A Decca enviou Mike Smith no final de 1961.
Mike Smith gostou muito do que ouviu e prometeu arranjar uma oportunidade em Londres para que pudessem realizar uma audição nos estúdios da Decca. Esta audição serviria para conhecer o grupo, ouvir o som e ver como ficava depois de gravado.

Para chegar a Londres, os Beatles utilizaram uma camioneta alugada por Neil Aspinall, levando instrumentos e amplificadores, mas que na hora da apresentação não valeram de nada, pois o pessoal da gravadora preferiu que fossem usados os disponíveis no estúdio.
No dia 01/01/1962, os Beatles entraram nos estúdios da Decca. George Harrison cantou a música Sheik Of Araby e Paul McCartney cantou Red Sails In The Sunset e Like Dreamers Do. Paul, como todos, estava muito nervoso e acabou desafinando durante suas interpretações. Pelo retorno dado por Mike Smith ao final da gravação eles tinham certeza de que seriam contratados e semanas se passaram a espera de um chamado da gravadora.

O repertório foi selecionado por Epstein, para mostrar a performance do grupo, com 15 músicas em um espaço de uma hora, diante dos representantes da Decca Records A&R, mas a apresentação não foi tão produtiva quanto esperavam. Em Março, Brian recebeu a notícia de Dick Rowe (chefão da Decca) de que tinham resolvido não gravar os Beatles, alegando que grupos de rock com guitarra em breve estariam fora de moda. Brian respondeu então "que estava completamente convencido de que aqueles garotos seriam maiores do que Elvis Presley".
A partir daí, os Beatles realizaram uma longa peregrinação por diversas gravadoras, tais como a Pye, Columbia, HMV e EMI e foram recusados em todas elas, inclusive por gravadoras menores.

Enfim, fizeram novo teste na Parlophone Records, que fazia parte da EMI, e George Martin, o futuro produtor  finalmente avisou Brian, em Julho de 1962, que os Beatles iriam assinar contrato com a Parlophone e eles agora deveriam selecionar o material a ser gravado. A grande coincidência é que os estúdios da Decca em Hampstead fica a menos de 3 kilómetros do Abbey Road Studios em St. John's Wood. Estúdio aonde eles viriam a gravar os maiores sucessos de sua carreira. As fitas desta audição somente foram divulgadas 20 anos mais tarde, em 1982.











 




LAFAYETTE - APRESENTA OS SUCESSOS - VOL. 2 - 1966

Lafayette nasceu em março de 1943 e aos cinco anos iniciou seu aprendizado musical no Conservatório Nacional de Música, no Rio de Janeiro. Com o surgimento do rock and roll, passa a integrar o The Blue Jeans Rockers, que foi responsável pelo primeiro rock instrumental gravado no país. Junto com ele na música 'Here Is The Blue Jeans Rockers' estão os futuros Luizinho e Seus Dinamites, Luizinho (violão elétrico) e Euclides (guitarra).

Os teclados de Lafayette contribuíram decisivamente para construir a identidade sonora da Jovem Guarda. A sua presença é inconfundível em várias e clássicas canções dos principais ídolos do movimento, desde sua estréia na música 'Terror dos Namorados', do primeiro álbum de Erasmo Carlos, lançado em maio de 1965. É dele também o órgão de 'Quero Que Vá Tudo Pro Inferno', de Roberto Carlos, que marcou o gênero para sempre. Uma espécie de 'marca registrada' da Jovem Guarda. Apesar disso, o tecladista não conta com o devido reconhecimento, diante da extensão, da qualidade e da influência de sua obra, especialmente no período da jovem guarda.
Gravou inúmeros discos, com destaque para a série denominado “Lafayette Apresenta seus Sucessos”. Essa série alcançou dezenas de edições no período áureo da jovem guarda.
Os seus discos permanecem inéditos, no formato em cd, em sua maioria, com apenas algumas poucas e tímidas coletâneas oficiais relançadas, sendo uma delas somente com hits e clássicos de Roberto Carlos. O que era popular no passado recente, tornou-se cult nos tempos modernos.

Nesta postagem homenageamos Lafayette, apresentando o seu segundo disco, lançado em 1966, pela gravadora CBS, com selo Entré, seguindo a série “Lafayette apresenta os sucessos”. O álbum contém as seguintes músicas:

1. Hang on sloopy;
2. The more I see you;
3. Monsieur Cannibale;
4. Imenso amor;
5. These boots are made for walking;
6. Pode ir para o seu novo amor;
7. Day tripper;
8. Forget him;
9. Big Nick;
10. Nessuno mi puo giudicare;
11. Volte querida;
12. Canção do retorno.















 Links:


sábado, 24 de setembro de 2011

JOHNNY MATHIS - YOU'VE GOT A FRIEND - 1971

Johnny Mathis, nasceu em Gilmer, no dia 30/09/1935. Começou a cantar publicamente na escola e em eventos da igreja e posteriormente foi para escolas de canto. Embora freqüentemente a crítica o descreve como um cantor romântico, a sua discografia inclui um vasto número de estilos, tais como o jazz, soul, R&B, Broadway e principalmente o mais conhecido como Softrock.
Ele registrou em sua carreira mais de 130 álbuns e vendeu  mais de 200 milhões de discos no mundo. Algumas de suas canções de grande sucesso incluem Evie, My love for you,Mariah (trilha sonora de West side story), Chances are, It´s not for me to say, Wonderful! Wonderful!, The twelfth of never, Wild is the wind,  Misty, A certain smile, Gina, My love for you, Tonight, entre outros sucessos.
Em comemoração ao mês de aniversário de Johnny Mathis estamos postando um disco de 1971, denominado “You’ve got a friend”, que contém releituras de músicas baladas da época. O álbum foi lançado pela gravadora CBS. As músicas do disco são:

1. You’ve gota a friend; 
2. How can you mend a broken heart; 
3. Help me make it through the nigh; 
4. If you could read my mind; 
5. Never can say goodbye; 
6. It’s too late; 
7. We can work it out; 
8. Long a go and far away; 
9. If; 
10. For all we know e 
11. If we only have love.









Contra Capa - Versão Brasil




 Contra Capa - Versão USA





Links:



 

JOÃO GILBERTO - EN MÉXICO - 1974

Nesta postagem apresentamos um disco raro de João Gilberto, talvez não tão representativo de sua carreira, mas válido pelas circunstâncias que ele foi gerado.
O desenvolvimentodo álbum foi decorrente de uma visita que João Gilberto realizou no México, relativo a um convite de um amigo Mariano Rivera Conde, que solicitou que ele passasse 10 dias e acabou ficando por mais de um ano.

O álbum foi lançado em 1974, pela gravadora Companhia Brasileira de Discos, com o selo Philips, que teve participações de Oscar Castro Neves e Chico Batera, com produção de Mariano Rivera Conde. Também foi lançado com outra versão de capa e contracapa. O disco contém as seguintes faixas:

1. De conversa em conversa; 
2. Ela é carioca; 
3. O sapo; 
4. Esperança perdida; 
5. Troley song;
6. João Marcelo; 
7. Farolito; 
8. Astronauta; 
9. Acapulco; 
10. Besame mucho e 
11. Eclipse.


















 Capa Versão Alternativa




Contra Capa Versão Alternativa
Link: 


JOÃO SÓ - NA MULTIDÃO - 1971

João Só, cantor e compositor brasileiro, nasceu em Teresina no dia 03/11/1943 e faleceu em decorrência de um infarto em Salvador no dia 20/06/1992, aos 48 anos, quando já se escontrava esquecido pelo grande público.

Aprendeu os primeiros acorde de cavaquinho quando ainda era criança, tendo começado a estudar vários instrumentos aos 15 anos. Em 1971 defendeu seu primeiro sucesso "Canção para Janaina", no 6º Festival Internacional da Canção - FIC. Em seguida gravou aquele que seria o seu maior sucesso, "Menina na Ladeira"

A partir de 1978, João Só se dedicou somente a shows, tendo apresentado centenaas de vezes por todo o Brasil. Deixou gravados 15 discos e algumas fitas, contendo mais de 40 músicas de sua autoria. Como curiosidade, compôs o primeiro hino oficial do time de futebol Londrina Esporte Clube, denominado "Bandeira do meu coração", em 1977, por ocasião da boa campanha que o time realizou no campeonato brasileiro.

Nesta postagem é apresentado o seu álbum de maior sucesso, lançado pela gravadora Odeon, em 1971, contendo 9 músicas de sua autoria, incluindo o maior sucesso Menina da ladeira e músicas de Caetano Veloso, Dorival Caymmi e João de Barro. As faixas do disco são por ordem:

1. Marinheiro só;
2. Falo de amor;
3. Canção prá Janaína;
4. Copacabana;
5. Quem sabe o amanhã;
6. Me chamo João Só;
7. Minha Bahia quero ver;
8. Inhambú;
9. Por um minuto apenas;
10. Flávia; 
11. Menina da ladeira e
12. Você já foi a Bahia.


















Links:






quarta-feira, 21 de setembro de 2011

JERÔNIMO - HERÓI DO SERTÃO - RADIONOVELA

Houve uma época em que as novelas eram transmitidas pelo rádio AM e eram acompanhadas diariamente por milhões de brasileiros. Pela precariedade dos recursos da época, a maioria dessas peças radiofônicas não tiveram o devido registro, para futuro resgate da memória da rádio brasileira.
Nesta postagem apresentamos uma dessas poucas novelas radiofônicas que foram gravadas em disco vinyl. Trata-se do famoso "Jerônimo, o herói do sertão"
Para quem não conhece, Jerônimo foi criado por Moisés Weltman, sendo lançado em 1957, em novela no rádio e obtendo sucesso chegou aos GIBIs pelas mãos de Edmundo Rodrigues e se tornou o gibi nacional de maior sucesso já registrado.

Jerônimo era um cavaleiro andante que levava justiça aos sertões do Brasil enfrentando terríveis bandidos em localidades bem brasileiras. Filho de Maria Homem, nascido em Serro Bravo, entre tiros e tocaias cresceu. Maria Homem, sua mãe, era uma mulher de pulso forte, que lhe ensinou as diferenças entre o bem e do mal.
Também fez sucesso na TV por duas vezes. Na TV Jerônimo estreou em 1972 na TV Tupi com direção de Benedito Rui Barbosa. Foi um sucesso que depois retornaria pelo Sbt de 1984 a 1985. Reprisada em 1991. Franciso di Franco foi o Jerônimo nas duas produções.
O disco traz dois episódios da era dourada do rádio: "Jerônimo Faz a Justiça" e "Polvora Seca" com todos aqueles saudosos personagens: O Caveira, Moleque Sacy e Aninha. Além dos episódios do rádio foi incluído como bônus algumas músicas que fizeram parte da trilha sonora do remake na TV Tupi.













domingo, 18 de setembro de 2011

PAUL MAURIAT - BRAZILIAN HITS

A música brasileira tem sido apreciada em todas as partes do mundo. É comum vermos releituras da música brasileira por diversos autores e em vários estilos.

Nesta postagem, são apresentadas versões orquestradas da música brasileira, gravadas na década de 1980, pelo maestro Paul Mauriat e lançado no Brasil, pela gravadora Polygram, com o selo (label) Philips, institulado de "Brazilian Hits". Os destaques, sem dúvida nenhuma, fica por conta dos arranjos elaborados. Outra obra que vale a pena ouvir...

A seguir a lista das músicas desse disco:

1. Mulher Brasileira; 
2. Pra que chorar; 
3. Não deixe o samba morrer; 
4. É preciso muito amor; 
5. Gostoso veneno; 
6. Você abusou; 
7. Qualquer coisa; 
8. Mulheres de Atenas; 
9. Só louco; 
10. Moça; 
11. Na paz do seu sorriso; 
12. Viagem; 
13. Naquela mesa; 
14. Sonhos; 
15. Casa no campo; 
16. Eu só quero um xodó; 
17. Pavão misterioso; 
18. Amada amante.













BRENDA LEE - GOLDEN YEARS - 1970

Brenda Lee, nascida em 11/12/1944, cantora americana prodígio. Cantou rockabilly, pop e country e teve 37 hits durante a década de 60, número apenas superado por Elvis Presley, Beatles, Ray Charles e Connie Francis. Iniciou sua carreira muito jovem, tendo como destaque a manipulação que dava na sua voz.  Com 1,44m de altura, em 1957, ela recebeu o apelido de "Little Miss Dynamite", após gravar a canção "Dynamite" e foi um dos primeiros astros da música poop a ter uma carreira internacional. Seus grandes sucessos foram: Jambalaya e  I'm sorry.
Sua popularidade dimininui no final dos anos 60, pois sua voz amadureceu e mudou um pouco de timbre, direcionando suas músicas para as raízes country com vários hits nas décadas de 70 e 80. Ela é membro da Rock and Roll, Country Music e Rockabilly Hall of Fame e atualmente vive em Nashiville, no Tennesse.
A postagem apresenta um disco lançado no Brasil, no início da década de 70 e contém os seus maiores sucessos de 1956 a 1965, tais como:

1. Jambalaya; 
2. Dynamite; 
3. Bill Bailey, won't you please come home; 
4. Sweet Nothin's ; 
5. I'm sorry; 
6. Fool #1; 
7. Dum dum; 
8. All alone am I;
9.  As usual; 
10. too many rivers.

















EDITH VEIGA - FAZ ME RIR - 1962

Edith Veiga, nascida em Juquiá, no dia 15/02/1942, é uma cantora popular brasileira com uma voz muito agradável. Fez sucesso na década de 60 com o sucesso Faz Me Rir, vendendo na época mais de 500 mil cópias e ficando nas paradas por dois anos. Na mesma época ganhou o prêmio "Roquete Pinto", na categoria revelação. Ganhou o apelido de "As Pernas Que Cantam".

Nesta postagem, apesar das limitações do original, é apresentado o primeiro álbum  da sua carreira, "Faz me Rir", de 1962, lançado pela gravadora Chantecler, com arranjos de Elcio Alvarez, Poly e Guerra Peixe, contendo as seguintes músicas:

1. Faz me rir; 
2. Nunca num domingo; 
3. De quem estás enamorado; 
4. Abandono; 
5. Inveja; 
6. Certeza; 
7. Rumores; 
8. Vivemos para amar; 
9. Vola; 
10. Minha vida em tuas mãos; 
11. Hoje, amanhã e depois; 
12. Palavras que enganam.











APOLLO 100 - JOY - 1979

A vida da banda britânica instrumental de estúdio, Apollo 100 foi meteórica, porém deixou sucessos nas paradas dos anos de 1972 e 1973. O principal sucesso foi em 1972, com o single "Joy", baseado em Sebastian Bach, sendo quase um remake do arranjo de "Jesus Alegria dos Homens", com instrumental pop, como percussão e baixo, registrado pelo Jigsaw, que era uma banda britânica.

O arranjador era Tom Parker, responsável pela maioria das músicas dos discos. Ele era multi-instrumentista e suas performances eram destacadas. também fazia parte da banda o baterista Clen Cattini, os guitarristas Vic Flick e Jenkins, o percussionista Jim Lawless e o baixista Brian Odgers.

A música "Joy" foi apresentada nas trilhas dos filmes "Boogie Nights", "One day in september" e " virgem de 40 anos".  

Nesta postagem, apresentamos o disco lançado no Brasil, em 1979, pela gravadora Companhia Industrial de Discos - CID, onde destaco a parte gráfica futurística da capa. O álbum contém as seguintes músicas:

1. Mendelsohn's 4th; 
2. Hall of mountain king; 
3. Dance macabre; 
4. Joy; Reach for the sky; 
5. Air on a G string; Libido; 
6. Tamara; 
7. Jazz Pizzicato; 
8. Exercise in A Minor; 
9. Classical wind.








terça-feira, 13 de setembro de 2011

LOBO - BLACK - 1979

Nos anos 70, nos EUA e no Brasil, ele atingiu o topo das paradas de sucesso da música pop romantica com vários hits, tais como "Me and you and a dog named Boo", "I'd love you to want me" e "Don't expect me to be you friend", entre outras. Seu nome era Roland Kent Lavoie ou simplesmente LOBO (em espanhol).

Cantor e compositor norte americano criado na cidade de Winter Haven, Florida. Começou sua carreira musical como membro do grupo The Rumours. Passou por vários outros grupos durante os anos de 1960, tais como, The Legends, que tinha como membros Gran Parsons, Jim Sttaford, Gerald Chambers e Jon Corneal, que obtiveram relativo sucesso  e as bandas Sugar Beats e Me And The Other Guys, que tiveram sucesso algum fora de sua região. 

Em 1971, o ex-membro do grupo Sugar Beats, Phil Gernhard contratou Lobo para a gravadora Big Tree REcords, onde ele era um executivo e lançaram seu primeiro single, chamado Me And You a Dog Named Boo. Esse single alcançou o numero 5 das paradas americanas e numero 4 no Reino Unido e proporcionou o inicio a série de singles de sucesso.

Em 1979, em nova gravadora, desta vez a MCA Records, lançou a canção Where Were You When I Was Falling In Love, que chegou ao 23ª posição nas paradas americanas. Em meados dos anos 1980, Lobo entrou em semi aposentadoria. No entanto, na década de 1990 excursionou com frequência pela Ásia e gravou vários álbuns pelo selo Pony Canyon, em Singapura, destinado apenas ao mercado asiático.

Fonte: Só Músicas (bugrim.blogspot.com.br)
Nesta postagem apresentamos o álbum de de 1979, lançado pela gravadora MCA Records, que foi o último disco de inéditas lançado no Brasil, conhecido como o "Lobo de Capa Preta". As canções desse disco são:

1. Where were you when I was falling in love; 
2. Spedin' time, makin' love and goin' crazy; 
3. A day in the life of a love; 
4. Heart to heart (Person to person); 
5. It's time to face the music and dance; 
6. Holdin' on for dear love; 
7. Lay me down; 
8. I don't wanna make love anymore; 
9. The way I came in; 
10. Gus, the dancing dog.