2016

2016

sexta-feira, 15 de junho de 2012

GOTTSCHALK - ORQUESTRA SINFÔNICA DE BERLIN - GRANDE FANTASIA TRIUNFAL SOBRE O HINO NACIONAL BRASILEIRO - 1985

Não poderia deixar de mencionar no blog a homenagem ao hino nacional do Brasil, realizada por um norte-americano chamado Louis Moreau Gottschalk (1829-1869)

Segundo texto de Roberto Muggiati, publicado no álbum lançado no Brasil em 1985, pela gravadora Companhia Industrial de Discos – CID, com o selo Vox, o compositor, pianista e regente Gottschalk foi um dos primeiros artistas estrangeiros a empolgar o público brasileiro, na época do imperador D. Pedro II. Compositor dedicado a diversos gêneros e tendo apresentado em vários países, inspirou-se notavelmente nos ambientes musicais locais, tendo escrito peças alusivas, entre outras dedicadas a Cuba e ao Uruguai.

Sua Grande Fantasia Triunfal com Variações sobre o Hino Nacional Brasileiro é um grande sucesso no repertório de pianistas brasileiros e também de outros países. A música baseada no original de Francisco Manoel da Silva foi dedicada à Condessa d’Eu, a Princesa Isabel, filha de D. Pedro II que, que assinou a Lei Áurea, acabando com a escravidão no Brasil.

A estréia dessa peça musical baseada no hino nacional ocorreu no Rio de Janeiro, em 1869, em um grande concerto executado por 650 músicos. Segundo a carta que escreveu para os seus amigos nos EUA, Gottschalk afirmou “Os meus concertos no Brasil são um verdadeiro furor...O imperador, a família imperial e a corte não perderam um só dos meus concertos e a minha Fantasia Triunfal agradou a D. Pedro II. Cada vez que me apresento, tenho que tocar essa obra...”

A Grande Fantasia Triunfal com Variações sobre o Hino Nacional Brasileiro é uma das mais empolgantes exaltações musicais de brasilidade e foi utilizada como prefixo do partido político PDT em seu horário de propaganda política da televisão. Também foi utilizada como fundo musical no funeral de Tancredo Neves. Foi por meio dessa composição que o espírito polêmico de louis Moreau Gottschalk se prolongou até os dias atuais.

Em 1973, uma consulta de origem desconhecida à Comissão Nacional de Moral e Civismo, ameaçou por algum tempo de proibição a peça de Gottschalk. O processo seguiu por alguns anos até que, graças principalmente ao parecer do musicólogo Alfredo Melo, que esclareceu devidamente a diferença entre “arranjo” e “variação”, e condenou a interdição como um “crime de lesa cultura” e assim a música foi liberada. Em 07/setembro/1981, sob a regência do maestro Isaac Karabtchevsky, junto ao monumento do Ipiranga, ela foi executada em apoteose para 800 mil pessoas, no melhor estilo “Gottschalkiano”.

Louis Moreau Gottschalk faleceu no Rio de Janeiro em 1889, supostamente de overdose de quinino, que usava para combater a malária que contraíra´.

O álbum desta postagem, “Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro”, teve a participação da Orquestra Filarmônica de Berlim, com  regência de Samuel Adler e piano de Eugene List e da Orquestra da Ópera do Estado de Viena, com a regência de Igor Buketoff . Também participaram os maestros Donald Hunsberger e Hershy kay na reconstrução das obras. O disco contém as seguintes faixas:

1. Grande fantasia triunfal sobre o hino nacional; 
2. The Union concerto paráfrase sobre Arias nacionais norte americanas; 
3. Marcha solene brasileira para orquestra e banda militar; 
4. Grande tarantela para piano e orquestra.



 Capa da versão em Long Playing - LP



 Contracapa da versão em Long Playing - LP



 Capa da versão em Compact Disc - CD



Contracapa da versão em Compact Disc - CD



Louis Moreau Gottschalk (1829-1869)


2 comentários:

  1. Puxa, bela postagem, o hino nacional brasileiro é o mais belo do mundo, junto com o hino francês. Estou baixando rapidinho. Valeu.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com você. Vale a pena ouvir essa versão em estilo mais clássico. Um grande hino para um grande país, apesar dos políticos que aqui existem.
    Valeu o apoio.
    Hedson LaPlaya

    ResponderExcluir