2017

2017

quarta-feira, 27 de junho de 2012

OS SUPER QUENTES - VOLUME 09 - 1974

Nesta postagem apresentamos mais um volume do grupo de estúdio Os Super Quentes. Trata-se do Volume 09, lançado em 1974, pela gravadora CBS, com o selo Entré. Para maiores informações sobre o grupo recomendo ver as postagens anteriores, principalmente a do dia 13/02/2012. As músicas do disco são:

1. Ai amor;
2. Diga porque;
3. Sempre lhe direi (Lady lay);
4. Adeus (Goodbye);
5. Meu eterno amor (Sugar baby love);
6. Tenho uma boneca vestida de sol;
7. Somente uma ilusão (Amor te vas);
8. Amanhecer (Daybreak);
9. Sozinha na praia (Excuse-me for the strange things I do); 
10. Ora sim, ora não;
11. Amor não é isso (L'amore é L'amore);
12. Quando te encontro.










Links:


terça-feira, 26 de junho de 2012

PACO GAITISTA - VOLUME 2 - 2011

Aprecio muito a música instrumental com harmônicas (gaita de boca) e sempre que posso divulgo os trabalhos tanto atuais quanto do passado. Nesta postagem apresentamos um outro trabalho do instrumentista Paco Gaitista. O trabalho anterior já foi apresentado no blog, na postagem de 12/08/2011.

Sem grande compromisso com estilos ou gênero, de forma competente e agradável, ele lançou por gravadora independente, o Volume 2, contendo releituras em harmônica de músicas clássicas do pop internacional, homenageando gravações de Bee Gees, Queen, Creed, Chris Isaak, Pear Jam, Metálica, Led Zepelin, Dusty Springfield, U2, Pink Floyd, Scorpions, Eric Clapton, Kenny G, Etta James. 

Nesse álbum inclui uma música de sua própria autoria, sendo a última faixa.  A seleção é composta das seguintes músicas e respectivas indicações dos intérpretes originais:

1. I started a joke (Bee Gees);
2. Crazy little thing called love (Queen); 
3. One last breath (Creed); 
4. Wicked game (Chris Isaak); 
5. Last Kiss (Pear Jam); 
6. Nothing else metters (Metalica); 
7. Stairway to heaven (Led Zepelin); 
8. Son of a preacher man (Dusty Springfield); 
9. With or without you (U2); 
10. Wish you were here (Pink Floyd); 
11. Winds of change (Scorpions); 
12. Tears in heaven (Eric Clapton); 
13. Theme from dying young (Kenny G); 
14. At last (Etta James); 
15. Blues véio da varanda (composição de Paco Gaitista)








segunda-feira, 25 de junho de 2012

LUIZ CLÁUDIO - REPORTAGEM - 1975

Ainda resgatando a obra do cantor brasileiro Luiz Cláudio, compartilhamos o álbum "Reportagem", lançado em 1975, pela gravadora Odeon. A proposta do disco é apresentar no início de cada música uma pequena entrevista com o autor da canção, citando algo sobre a sua criação. 

O álbum  contém as seguintes canções de Antonio Carlos Jobim, Caetano Veloso, Dorival Caymmi, Chico Buarque de Hollanda, João de Barro (Braguinha), Milton Nascimento, Cartola, Nelson Cavaquinho, Tito Madi, Roberto Menescal e Sérgio Ricardo:

1. Esperança perdida (Tom Jobim); 
2. Lua Cheia (Chico Buarque); 
3. Matando o tempo (Braguinha); 
4. Cantiga (Dorival Caymmi); 
5. Poema azul (Sérgio Ricardo); 
6. Há empre um amanhã (Tito Madi); 
7. Rugas (Nelson Cavaquinho); 
8. Se pelo menos você fosse minha (Roberto Menescal); 
9. Onde eu nasci passa um rio (Caetano Veloso); 
10. Tarde (Milton Nascimento); 
11. Canção da saudade (Cartola).





















Links:






GORDON LIGHTFOOT - SUNDOW - 1974

Dias atrás, após comentar no blog sobre o cantor Don Mclean, lembrei de outro grande cantor só que canadense, Gordon Lightfoot, que em linhas gerais tem um estilo semelhante, na criação de grandes canções, do tipo folk, country e rock. Também incluo nessa linha o cantor Jim Croce.

Gordon Lightfoot nasceu em Ontário no Canadá, no dia 17/11/1938. Na década de 1950 frequentou a escola em Hollywood, Califórnia, EUA. Retornou para o Canadá nos anos 1960 e iniciou sua carreira musical presentando-se em cafés na cidade de Toronto.

Em 1966, lançou o seu álbum de estréia, intitulado “Lightfoot”. Neste período ficou mais conhecido como compositor para artistas, tais como, Johnny Cash, Elvis Presley, entre outros. Um dos seus singles de maior sucesso, em 1974, foi a canção Sundow. Dois anos depois foi à vez de The Wreck of the Edmund Fitzgerald, uma composição em memória ao naufrágio do graneleiro “SS Edmund Fitzgerald”, ocorrido em 10/11/1975, em um lago.

Entre vários prêmios auferidos, Lightfoot recebeu 15 prêmios “Juno” e foi indicado para 5 “Grammy Award”. Ele está registrado no Canadian Music Hall of Fame e no Canadian Country Music Hall of Fame. Desde 1998, possui uma estrela na Calçada da Fama no Canadá. Em maio de 2003 recebeu a Ordem do Canadá, a mais alta condecoração civil naquele país.

Em 2002, devido a um aneurisma da aorta, Gordon Lighfoot ficou em coma por seis semanas.

Em minha opinião, o álbum que compartilhamos nesta postagem é considerado um dos melhores da carreira. Trata-se do disco “Sundow”, lançado em 1974, pela gravadora Warner Records, com o selo Reprise, com produção de Lenny Waronker. O disco contém aas seguintes músicas e bônus oferecidos pelo blog:

1. Somewhere USA; 
2. High and dry; 
3. Seven island suite; 
4. Circle of steel; 
5. Is there anyone home; 
6. Them watchman’s gone; 
7. Sundow; 
8. Carefree highway; 
9. The list; 
10. Too late for prayin’

Bônus

11. If could read my mind; 
12. Early morning rain; 
13. Cold on the shoulder; 
14. Rainy day people; 
15. Summer side of life










sábado, 23 de junho de 2012

NOSSO SÉCULO - DOCUMENTOS SONOROS - 1980

Na década de 1970 e 1980, no Brasil foi muito comum a edição em fascículos de diversas obras culturais, tais como enciclopédias, manuais e outros de caracter educativo, que eram vendidas em bancas de jornais. Era uma forma de adquirir cultura a prestação. No final de cada obra, comprava-se as capas duras e as encadernava. Algumas dessas obras, como forma de atração mercadológica, costumavam oferecer brindes.  

Uma dessas obras que me atraiu foi a coleção chamada "Nosso Século", lançada em 1980, pela Editora Abril, que tinha como objetivo resgatar a memória histórica do Brasil, em diversos apspectos, apresentando os fatos ocorridos no Século XX, até 1979. Como parte integrante da obra e como brinde dessa coleção foi oferecido um álbum em vinyl LP, chamado "Documentos Sonoros" do século focado. O interessante desse disco é que ele apresenta em forma de narrativa e com ilustrações em audio, uma coletânea dos principais momentos da música brasileira, de jingles famosos apresentados no Rádio e de discursos políticos do período de 1900 a 1979. A parte narrativa contou com a voz de Sérgio Viotti. Posso afirmar que vale a pena ouvir e viajar no tempo...












Links: 



RAUL SEIXAS ESPECIAL- ENTREVISTAS - 2008

Ao limpar gavetas me deparei com um brinde muito interessante ofertado, em setembro de 2008, pela Revista Shopping Music, em uma edição especial sobre o cantor de rock Raul Seixas. Trata-se de um disco contendo entrevistas despojadas de Raul Seixas para a apresentadora Marilia Gabriela, para Pedro Bial, Kid Vinil, Valdir Montanari, Leopoldo Rey e André Barbosa Filho. Além dessas entrevistas continha duas faixas inéditas, na época, produzidas pela MZA Music, das músicas Ouro de Tolo em inglês (Fool's Gold) e Check-up. Vale a pena ouvir...














sexta-feira, 22 de junho de 2012

MUSIKANTIGA - VOLUME 1 - 1967

Para atender pedido de alguns amigos do blog, entre eles o Peter Hammil, estamos postamos um fenomenal álbum de música clássica barroca, o Volume 1 do grupo Musikantiga de São Paulo. O interessante é ouvir e imaginar que em algum tempo essas músicas fizeram sua época.

O grupo que executou as obras desse disco era formado por Dalton de Luca (viola da gamba), Milton Kanji (flautas doces), Paulo Herculano (cravo), Ricardo Kanji (flautas doce). Acredito que o destaque para muitos será a música Galharda, que enaltece o cravo tão bem quanto o piano, soando como uma brincadeira sonora, que um dia divertiu taberanas e ruas. Veja também o Volume 2 na postagem de 14/01/2012. 

O álbum foi lançado em 1967, pela gravadora Marcus Pereira e relançado em Compact Disc - CD nos anos 1990. Contém as seguintes canções:

1. Greenleaves to ground; 
2. Il lamento di tristano; 
3. Sonata a três nº5; 
4. Galharda; 
5. Lachrimae antiquae; 
6. Recercada quinta; 
7. Sonata para flauta e baixo continuo; 
8. I trotto; 
9. Aria; 
10. Pavana e galharda; 
11. Fantasia; 
12. Moteto: alle psalite com lula.


















Links: 







quinta-feira, 21 de junho de 2012

AVE MARIA - OS TRES ANJOS - NILO SÉRGIO - 1962

Na década de 1960, a gravadora Musidisc lançou álbuns excelentes na área orquestral e instrumental, que hoje são raros de se encontrar nas lojas de discos usados. Em um desses trabalhos podemos citar o disco intitulado "Ave Maria - Os Três Anjos".

É um disco instrumental, tendo como base órgão e foca as obras clássicas, principalmente com temática mais renascentista e aquelas inspiradas na Ave Maria. Com produção e arranjo instrumental de Nilo Sérgio, o comandante da gravadora, foi lançado em 1962, pelo selo Musidisc. Posteriormente, voltou a ser lançado em Compac Disc - CD, no ano de 1994. No material impresso do disco, tanto LP ou CD,  não contém informações sobre quem participou das gravações. O álbum contém as seguintes músicas:

1. Ave Maria (Schubert); 
2. Tristesse (Chopin); 
3. Ave Maria (Somma); 
4. Poema (Fibich); 
5. Serenata (Schubert); 
6. Ave Maria (Gounod); 
7. Berceuse (Brams); 
8. Largo (Handel); 
9. Sonata ao Luar (Beethoven); 
10. Valsa do Adeus (Chopin).








quarta-feira, 20 de junho de 2012

TWANG - A TRIBUTE TO HANK MARVIN AND THE SHADOWS - 1996

Esta postagem vem homenagear Hank Marvin e The Shadows, que tiveram um papel muito importante na música instrumental pop, influenciando inúmeras bandas de rock dos anos 1960 e 70. Quem não se lembra das arrojadas músicas instrumentais, tais como, Apache, Dance On, Wonderful Land, The Savage, entre outras. Aqui pelas nossas terras, vários grupos também receberam desse caldo, tais como, The Jet Blacks, The Jordans, Os Incríveis, Os Carbonos, The Rebels, The Pops, The Sparks e uma legião de bandas da Jovem Guarda.

Trata-se de um álbum tributo, lançado em 1996, pela gravadora independente Pangaea Records. O que chama a atenção são os nomes que figuram nesse tributo. Nomes de peso do quilate de Richie Blackmore (Ex Deep Purple), Brian May (Ex Queen), Tony Uommi (Ex Black Sabbatt), Steve Stevens, Peter Green (Ex Fleetwood Magic), Neil Young, Randy Bachman (Ex BTO), Mark Knopfler (Ex Dire Straits), Peter Frampton (Ex Humbie Pie), Keith Urban, Stewart Copeland e Andy Summer (Ex The Police) e Bela Fleck. No disco há a participação especial do homenageado Hank Marvin. O álbum contém as seguintes músicas:

1. Apache; 
2. FBI; 
3. Wonderful land; 
4. The savage; 
5. The rise and fall of flingel bunt; 
6. Midnight; 
7. Spring is nearly  here; 
8. Atlantis; 
9. The frightened city; 
10. Dance on; 
11. Stingray; 
12. The stranger.









Links:



terça-feira, 19 de junho de 2012

ENOCH LIGHT & THE BRASS MENAGERIE - BLOWIN' IN THE WIND - 1969

O maestro Enoch Light (1905-1978) foi líder de uma orquestra muito popular nos anos 1940 e 50, pelo seu estilo de percussão e um pioneiro no uso de novas tecnologias de áudio como o "ping-pong stereo”, que era a passagem de um canal para outro e nos anos 1960 e 70, a gravação em película de 35mm.


Depois desse sucesso, ele fundou a gravadora Command, que possibilitou realizar os seus próprios registros com flexibilidade para novas criações de arranjo e áudio, que utilizava todo o espectro sonoro dos equipamentos de som da época, ficando à frente dessa gravadora até 1965.


Posteriormente 1965, a gravadora Command foi adquirida pela ABC Records, que por sua vez foi comprada pela MCA Records. Nesse período, Enoch Light continuou trabalhando como arranjador / maestro e chefe do selo “Project 3 Records”.

Nos anos 1970, mesmo gravando esporadicamente, a sua atividade artística diminuiu. Enoch Light faleceu em 31/07/1978, deixando uma obra extensa.

Fonte: Stephen Thomas Erlewine, All Music Guide.

Para homenagear esse grande maestro e arranjador, nesta postagem, apresentamos o álbum lançado no Brasil em 1969 e posteriormente, nos anos 90, lançado em Compact Disc – CD, pela Rede Brasil, com o selo Project  e Records, com um encarte simples, informando apenas as músicas e seus respectivos autores. O disco contém as seguintes músicas:


1. Blowin’ in the Wind; 
2. I’m gonna make you love me; 
3. My favorite things; 
4. Wichita lineman; 
5. The fool on the hill; 
6. I’ve gotta be me; 
7. Touch me; 
8. Califórnia dreamin’; 
9. Both sides, now; 
10. Happy ever after; 
11. Put your head on my shoulders; 
12. Soul strut (Am I the same girl).












Versão de capa lançada fora do Brasil, 1973

domingo, 17 de junho de 2012

PROPAGANDA PHILIPS MINI K7 - 1970

Em um dias desses estava meditando, em momento de descanso, e veio em minha mente o quanto sou privilegiado, em poder desfrutar toda a evolução da tecnologia de áudio e vídeo. Pude usufruir Vinyl (78, 45, 33), Fita K7 (Compact Cassete),  CD (Compact Disc), VideoLaser, Fitas DAT, MD e Mp3. No vídeo, passamos pelas Filmadora 8mm, Vídeo Cassete (VHS e Betamax), VídeoLaser; DVD, BluRay, Mpeg4 e outras mídias.

Para ilustrar apresento a propaganda de um aparelho de Fita Cassete (k7) da Philips, que foi o primeiro que adquiri, e que foi lançada em 1970. Para quem não sabe a Philips foi quem desenvolveu e era detentora das patentes da Fita k7, do CD e do Vídeo Cassete.




PAUL MAURIAT - VOLUME 20 - 1975

Seguindo nosso objetivo de resgatar e compartilhar a obra de Paul Mauriat, segue o Volume 20, lançado no Brasil, em 1975, pela gravadora Phonogram, com selo Philips. Além das 13 canções do lançamento original, o blog está disponibilizando mais 4 músicas, lançadas no mesmo ano, porém em outros países. Os destaques do álbum são as músicas From Souvenir to Souveniers, Mandy, a brasileira Joanna Francesa e Emmanuelle. O álbum contém as seguintes músicas:

1. From souvenirs to souvenirs; 
2. Mandy; 
3. Joanna Francesa; 
4. Et bonjour a toi l'artiste; 
5. Emmanuelle; 6. Oumparere; 
7. Une fille aux yeux clairs; 
8. Over the rainbow / singin' in the rain; 
9. Le sud; 
10. Jolie baby blue; 
11. Pacific holiday (guitar); 
12. Si tu t'appelles melancolie (Please tell her); 
13. On ne vit pas sans se dire adieu (when a child is born - soleado);

Bônus

14. Angie baby; 
15. Only yesterday; 
16. Have you never been mellow; 
17. Entre dos aguas.














TAPESTRY REVISITED - TRIBUTE TO CAROLE KING - 1995

Mais um tributo. Desta vez é uma releitura do famoso álbum "Tapestry", da cantora americana Carole King. O disco conta com grandes intérpretes, tais como, Rod Stewart, Bee Gees, Eternal, Amy Grant, Curtis Stigers, Richard Marx, Blessid Union of Souls, Aretha Franklin, Bebe & Cece Winans, Faith Hill, The Manhattan Transfer, All-4-One e Celine Dion.

O destaque do álbum é a música Will You Love me Tomorrow, interpretada pelo grupo Bee Gees, que foi um dos maiores sucessos de Carole King. Foi lançado em 1995, pelas gravadoras independente Lava Records e Atlantic Records e contém as seguintes músicas:

1. I feel the earth move; 
2. So far away; 
3. It's too late; 
4. Home again; 
5. Beautiful
6. Way over younder; 
7. You've got a friend; 
8. Where you lead; 
9. Will you love me tomorrow; 
10. Smackwater jack; 
11. Tapestry; 
12. (You make me feel like) a natural woman.
















sábado, 16 de junho de 2012

ALEX DE GRASSI - THE MUSIC OF SIMON AND GARFUNKEL - 1997

Já que remexi nos meus álbuns de tributos, nesta postagem segue outro tributo a Simon and Garfunkel. Trata-se do álbum “The Music of Simon and Garfunkel”, com interpretação no violão de Alex de Grassi, tendo no fundo sons de natureza, tais como pássaros, insetos, ventos, chuva, mar e outros sons. É uma proposta acústica para relaxamento e harmonização do ambiente e do espírito.


O guitarrista Alex de Grassi, nasceu em Yokosuka, no dia 13/02/1952, tendo crescido em São Francisco, Califórnia/EUA. Teve influências de seu avô que tocava violino na orquestra San Francisco Symphny e de seu pai que era um pianista clássico. Aos treze anos de idade aprendeu a tocar trompete, mas logo se direcionou para a guitarra.


Seu primeiro álbum “Turning: Turning Back” foi lançado em 1978, pela gravadora Windham Hill Records, de seu primo Will Ackerman. Até 2010, já tinha lançado mais de 20 álbuns instrumentais.


O álbum da postagem é um trabalho agradável de se ouvir em momentos de relaxamento, tendo a proposta sugestiva de contemplar a música de Simon and Garfunkel. Foi lançado em 1997, pela gravadora independente Signature Sounds, com produção de Spencer Brewer. O disco contém as seguintes músicas:

1. Sounds of silence; 
2. Scarborough fair; 
3. Bridge over troubled water; 
4. April come she will; 
5. The boxer; 
6. America; 
7. Homeward bound; 
8. I am rock; 
9. So long Frank Lloyd Wright; 
10. Dangling conversation












sexta-feira, 15 de junho de 2012

REMIXOU? DANÇOU - VARIOS NACIONAL - 1987

Este album chegou em minhas mãos apenas por uma única música, Loucas Horas, de Guilherme Arantes, cantor que aprecio e considero um grande compositor de músicas românticas.

Trata-se de um raro álbum de remixes do pop nacional, realizado pelo DJ Ippocratis (Grego), lançado em 1987, pela gravadora CBS, com o selo Epic. Os meus destaques são para as músicas  Loucas Horas, de Guilherme Arantes e Metralhar e Não Morrer da banda Tokyo (leia-se Suppla).  Infelizmente ainda não consegui um material grafico de melhor qualidade. O disco contém as seguintes músicas;

1. Mensagem de amor (Leo Jaime);
2. Loucas horas (Guilherme Arantes);
3. Metralhar e não morrer (Tokyo);
4. Nada mudou (Leo Jaime);
5. Si si no no (João Bosco);
6. Livre pra viver (Cláudio Zoli);
7. Sebastian boys rap (Pepeu e Mike);
8. Seu balanço (Guilherme Arantes).














Links:




GOTTSCHALK - ORQUESTRA SINFÔNICA DE BERLIN - GRANDE FANTASIA TRIUNFAL SOBRE O HINO NACIONAL BRASILEIRO - 1985

Não poderia deixar de mencionar no blog a homenagem ao hino nacional do Brasil, realizada por um norte-americano chamado Louis Moreau Gottschalk (1829-1869)

Segundo texto de Roberto Muggiati, publicado no álbum lançado no Brasil em 1985, pela gravadora Companhia Industrial de Discos – CID, com o selo Vox, o compositor, pianista e regente Gottschalk foi um dos primeiros artistas estrangeiros a empolgar o público brasileiro, na época do imperador D. Pedro II. Compositor dedicado a diversos gêneros e tendo apresentado em vários países, inspirou-se notavelmente nos ambientes musicais locais, tendo escrito peças alusivas, entre outras dedicadas a Cuba e ao Uruguai.

Sua Grande Fantasia Triunfal com Variações sobre o Hino Nacional Brasileiro é um grande sucesso no repertório de pianistas brasileiros e também de outros países. A música baseada no original de Francisco Manoel da Silva foi dedicada à Condessa d’Eu, a Princesa Isabel, filha de D. Pedro II que, que assinou a Lei Áurea, acabando com a escravidão no Brasil.

A estréia dessa peça musical baseada no hino nacional ocorreu no Rio de Janeiro, em 1869, em um grande concerto executado por 650 músicos. Segundo a carta que escreveu para os seus amigos nos EUA, Gottschalk afirmou “Os meus concertos no Brasil são um verdadeiro furor...O imperador, a família imperial e a corte não perderam um só dos meus concertos e a minha Fantasia Triunfal agradou a D. Pedro II. Cada vez que me apresento, tenho que tocar essa obra...”

A Grande Fantasia Triunfal com Variações sobre o Hino Nacional Brasileiro é uma das mais empolgantes exaltações musicais de brasilidade e foi utilizada como prefixo do partido político PDT em seu horário de propaganda política da televisão. Também foi utilizada como fundo musical no funeral de Tancredo Neves. Foi por meio dessa composição que o espírito polêmico de louis Moreau Gottschalk se prolongou até os dias atuais.

Em 1973, uma consulta de origem desconhecida à Comissão Nacional de Moral e Civismo, ameaçou por algum tempo de proibição a peça de Gottschalk. O processo seguiu por alguns anos até que, graças principalmente ao parecer do musicólogo Alfredo Melo, que esclareceu devidamente a diferença entre “arranjo” e “variação”, e condenou a interdição como um “crime de lesa cultura” e assim a música foi liberada. Em 07/setembro/1981, sob a regência do maestro Isaac Karabtchevsky, junto ao monumento do Ipiranga, ela foi executada em apoteose para 800 mil pessoas, no melhor estilo “Gottschalkiano”.

Louis Moreau Gottschalk faleceu no Rio de Janeiro em 1889, supostamente de overdose de quinino, que usava para combater a malária que contraíra´.

O álbum desta postagem, “Grande Fantasia Triunfal Sobre o Hino Nacional Brasileiro”, teve a participação da Orquestra Filarmônica de Berlim, com  regência de Samuel Adler e piano de Eugene List e da Orquestra da Ópera do Estado de Viena, com a regência de Igor Buketoff . Também participaram os maestros Donald Hunsberger e Hershy kay na reconstrução das obras. O disco contém as seguintes faixas:

1. Grande fantasia triunfal sobre o hino nacional; 
2. The Union concerto paráfrase sobre Arias nacionais norte americanas; 
3. Marcha solene brasileira para orquestra e banda militar; 
4. Grande tarantela para piano e orquestra.



 Capa da versão em Long Playing - LP



 Contracapa da versão em Long Playing - LP



 Capa da versão em Compact Disc - CD



Contracapa da versão em Compact Disc - CD



Louis Moreau Gottschalk (1829-1869)