2016

2016

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

THE WALKERS - THERE'S NO MORE CORN ON THE BRASOS - 1972

O grupo The Walkers foi formado por Jean Innemee em 1964, na cidade de Maastricht (província de Limburgo), na Holanda, originado do grupo The Skiffle Mosan, que atuava desde 1960, quando venceram um concurso de jovens talentos na Holanda. O vice campeão desse mesmo concurso foi Maddy Bleize e Seus Cometas. A união desses dois grupos gerou o The Walkers.

Seus integrantes originais eram Fred Limpens (Freddy Cash), Jean Innemee, Leo Steinbusch, Maddy Bleize, Conny Peters e Rene Innemee. Posteriormente incluiu John Coenen e Jan Frossen, nos lugares de Jean e Maddy. Em 1976, juntou a banda Michel Nita e em 1978, Walter Nita.

O grande sucesso do grupo foi a canção There's No More Corn On The Brasos, composição de Jean Innemee e Hoes, que inclusive foi regravada em disco solo de Ian Gillian, vocalista da banda de rock Deep Purple. 

No Brasil só foram lançados 2 compactos singles e posteriormente um álbum Lp pela gravadora Top Tape. Essa música foi um sucesso de vendas, sendo uito tocada nas rádios brasileiras. O estilo musical do The Walkers passeia pelo folk, country music e rock. 

O grupo se destacava pela utilização de exóticos instrumentos musicais, tais como: bouzouki (uma espécie de alaúde grego), Kazuo (tubo oco com uma membrana em uma extremidade), bem como o banjo usual, acordeão, saxofone, clarinete Pan flauta, - um conjunto de paralelo-montadas, mantidas juntas longitudinal único flautas de diferentes tamanhos, um piano, trombone, e tubulações.


The Walkers atuou com diversas formações até 1979. Em 1980, eles retornaram para o palco, sob o nome de “The Press”, seguindo com esse nome a partir dessa data. É preciso não confundir The Walkers com a banda argentina Los Walkers, pois são bandas distintas.  Outra confusão desse grupo com a banda americana The Walkers Brothers, que também atuou nos anos 1960 e fez muito sucesso no Reino Unido.

Para completar, com colaboração do nosso amigo Sérgio, informa que esse compacto também foi editado em uma versão capa amarela. Também destaca que essa música teve versões no Brasil, tais como Eu Acho que vou chorar, de Reginaldo Rossi, as sertanejas Marcas de Amor, com João Viola (cuja parte instrumental está pavorosa) e Vento no amanhecer, com Itamaracá e José Nilton.

Para resgatarmos essa banda, apresentamos aos amigos do blog as canções lançadas em vinyl compacto simples, em 1972, pelas gravadoras Top Tape e posteriormente pela Companhia Industrial de Discos - CID, com o selo (label) Red Bird Records.

As músicas do disco são as seguintes:

Lado A:
1- There no more corn on the brasos

Lado B:
2- The ballad of the fisherman











 Links:


6 comentários:

  1. Belíssima lembrança. Tenho esse compacto em algum lugar aqui em casa, só me lembro que o meu veio numa capa amarela, e não na versão com várias cores. Lembro que há uma versão gravada por Reginaldo Rossi, falecido há pouco tempo, chamada Eu Acho Que Vou Chorar. Como a versão de Agnaldo Timóteo para Green Green Grass of Home, tem o mesmo tom evocativo e não tem nada a ver com o sentido original da canção. Aliás, buscando na internet, você encontra ao menos duas outras versões, sertanejas: Marcas de Amor, com João Viola (a parte instrumental é pavorosa) e Itamaracá e José Nilton – Vento no amanhecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Sérgio

      Valeu a lembrança...e muito obrigado pelas contribuições. Inclusive inclui na postagem.
      Hedson LaPlaya

      Excluir
  2. - Voltei aos anos 70, gostei de tudo, até dos dois comentários.
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Theo...
      Seja sempre bem vindo...
      Hedson LaPlaya

      Excluir
  3. Valeu meu velho muito bom sou fã desta banda.

    ResponderExcluir