2016

2016

terça-feira, 9 de setembro de 2014

MILTINHO - OS GRANDES SUCESSOS DE MILTINHO - VOLUME 2 - 1968 (MORRE O REI DO RITMO)

O cantor Milton Santos de Almeida, conhecido como Miltinho, morreu na noite de domingo (7), no Rio de Janeiro, aos 86 anos. Ele estava internado desde julho no Hospital do Amparo, no Rio Comprido, zona norte do Rio, parar tratar o pulmão, que tinha um problema de enfisema, decorrente do hábito de fumante, quando não resistiu a uma parada cardíaca.

Foi um dos maiores intérpretes de samba do Brasil, Miltinho deu voz a sucessos como Mulher de trinta, Leva meu samba, Meu nome é ninguém e Palhaçada, na década de 1960.

Conhecido como "Rei do Ritmo", Miltinho foi um dos últimos cantores da época dos conjuntos vocais do samba. Sobre sua relação com o gênero, comentou certa vez: "É como você ir comprar um sapato e já saber qual o número que vai servir". Ele ganhou o apelido por contrariar os ritmos ditados pelas orquestras na época, cantando dois tempos atrasados e à frente da harmonia.

Na década de 1940, integrou diversos grupos, como Namorados da Lua e Milionários do Ritmo. Como instrumentista, ele nunca deixou de tocar pandeiro. Miltinho marcou presença em um dos mais bem-sucedidos conjuntos vocais na década de 1940, os "Anjos do Inferno", que chegou a sair em turnê com a cantora Carmem Miranda e lançou marchinhas de sucesso, como Nós, os Carecas, Nêga do Cabelo Duro e Cordão dos Puxa-Sacos.

Mas foi como cantor solo e compositor que Miltinho se consagrou. Na década de 1960, chegou a participar de um filme de Mazzaropi, chamado "O Vendedor de Linguiças". Na mesma época, gravou um disco em parceria com Elza Soares, denominado "Elza, Miltinho e Samba". O dueto deu tão certo, que os dois voltaram a gravar em 1968 e 1969.

No aniversário de 70 anos, em 1998, lançou o CD "Miltinho Convida", com convidados de luxo, na verdade, fãs, como João Nogueira, João Bosco, Luiz Melodia, Chico Buarque, entre outros. Durante sua carreira, lançou a carreira de Luiz Ayrão e João Nogueira.

Ele viveu uma vida incrível, fez sucesso, porém não tinha amargurado por ter sido esquecido. Sua única mágoa, foi ter sido colocado na prateleira da “velha guarda” da música brasileira, quando do surgimento do movimento bossa nova, mesmo tendo sido inventor de um jeito moderno de cantar, com harmonia à frente do canto, proporcionando às suas interpretações um suingue e originalidade.

Em 2008, foi tema do curta "No Tempo de Miltinho", que venceu como Melhor Curta brasileiro no festival de documentários “É Tudo Verdade”, em 2009.

Em 2013, o selo Discobertas, de Marcelo Fróes, lançou uma coletânea box em comemoração aos 60 anos de carreira do cantor, com o lançamento de 12 LPs de Miltinho, de 1960 a 1965, em formato Compact Disc - CD.

Admirado por Chico Buarque e Zeca Pagodinho, ele foi um dos grandes cantores de samba dos anos 1960 e 1970.

Nesta postagem, homenageamos o grande cantor e compositor Miltinho, resgatando um álbum, lançado em 1968, pela gravadora RGE, com o selo Premier, intitulado "Os Grandes Sucessos de Miltinho - Volume 2", com a seleção das seguintes canções:

1. Lembranças (Raul Sampaio – Benil Santos)
2. Chorando, Chorando (Edson Borges – Armando Cavalcanti)
3. Poema do Olhar (Jair Amorim – Evaldo Gouveia)
4. A Canção Que Virou Você (Luis Antônio)
5. Meu Nome é Ninguém (Haroldo Barbosa – Luis Reis)
6. Estrada do Amor (Luis Antônio)
7. Distância (Raul Sampaio – Benil Santos)
8. Serenata da Chuva (Jair Amorim – Evaldo Gouveia)
9. Confidência (Raul Sampaio – Benil Santos)
10. Só Vou de Balanço (João Roberto Kelly)
11. Ninguém (Raul Sampaio – Benil Santos)
12. Solução (Raul Sampaio – Ivo Santos) 






















Links:





3 comentários:

  1. Olá Edson,foi por intermédio de seu blog,que fiquei sabendo do falecimento do grande Miltinho,embora você já tenha feito uma bela explanação da trajetória dele,permita-me acrescentar algo mais,Miltinho também foi crooner da Boate Drink,cujo proprietário era o organista Djalma Corrêa,tenho um Lp gravado ao vivo na Boate,onde Miltinho cantava em duas faixas do mesmo,pois ali o astro era o Djalma,participava do grupo Ed Lincon ao piano,possuo tembém esse Lp que você postou,e embora não tenha os créditos dos músicos,se não me falha o ouvido,no Hammond b3,era o Walter Wanderley com seu inconfundível balanço,são blogs como o seu,que engrandecem a nossa música,parabéns,e um grande abraço do Silvestre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem, Silvestre...

      A discografia de Miltinho é muito vasta, a ponto de ficar difícil citar o "carro-chefe". Dentre tantos sucessos
      seguem Palhaçada, Lembranças, Meu Nome É Ninguém; LP (CD)?: "Ao vivo" com baterista de 1a. Papão.

      Também quanto ao Blog, sendo até homenageado, é mala e cuia.

      Parabéns!

      Excluir
    2. Oi Silvestre
      Obrigado pelas informações complementares. Como afirmou o Antonio, a discografia do cantor Miltinho foi vasta e quando postamos, escolhemos alguma coisa que traduzisse a maior parte de seus sucessos.
      Valeu...
      Hedson Laplaya

      Excluir