2016

2016

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

FRANCK POURCEL - FRANÇA ROMÂNTICA - 1983 - REPOST

Sempre que posso, venho atendendo os pedidos de repostagem. Desta vez, atendo o amigo Leonardo Brito, que me solicitou que reapresentasse o álbum "França Romântica", que era o segundo volume de uma série de oito discos, intitulada "A Arte Apaixonada de Franck Pourcel", lançada no Brasil, em 1983, pela gravadora EMI.

O destaque desse volume fica por conta dos arranjos para as músicas AlineConcordeLove Me Please Love Me e Merci Cherie. O disco continha as seguintes canções orquestradas:

1. Le premier pas; 
2. She; 
3. L'important c'est la rose; 
4. Aranjuez, mon amour; 
5. La boheme; 
6. Aline; 
7. Concorde; 
8. Love me, please love me; 
9. Et maintenant; 
10. Sous le ciel de Paris; 
11. Au revoir; 
12. Merci cherie.
























EDMUNDO DAMATTA - ISRAEL - 1968 - REPOST

A pedido, estamos respostando o álbum "Israel", do cantor Edmundo Damatta, que foi lançado em 1968, pela gravadora Chantecler. 

Os destaques desse LP são as músicas Israel, Viver por Viver, do francês Francis Lai e uma releitura de Margarida, música de festival, composta por Gutemberg e Guarabira, Django. 

A seleção do disco contém as seguintes canções:

1. Israel;
2. Viver por viver (Vivre pour vivre);
3. Margarida;
4. Por uma mulher (Per una donna);
5. Tiquinho você;
6. Adeus amor, adeus;
7. Farei como queiras (Faró come vuoi);
8. Eu quero estar com você (I gotta be with you);
9. Viver ou morrer (Mourir ou vivre);
10. Django;
11. Coração louco (Cuore matto);
12. Lá vou eu.















sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

LANÇAMENTO DO LIVRO "LINDO SONHO DELIRANTE - 100 DISCOS PSICODÉLICOS DO BRASIL DE (1968-1975)" - 2017

Conforme noticiado no blog Brazilian Nuggets, especializado em musica psicodélica brasileira, está a venda no site da POEIRA ZINE, o livro "Lindo Sonho Delirante - 100 Discos Psicodélicos do Brasil (1968-1975)", de autoria de Bento Araújo, que reúne o que aconteceu de melhor no psicodelismo brasileiro, por meio de resenhas e da arte de cada disco.

O autor Bento Araújo, é jornalista e editor da Revista de música Poeira Zine. É também um pesquisador estudioso e colecionador de discos. Para desenvolver essa obra, ele passou dois anos pesquisando, reouvindo, analisando, compilando e resenhando os álbuns e compactos que compõem o livro, que foi editado em português e em inglês. 

Todo trabalho de resgate da música brasileira é digno de nossa admiração e peço aos amigos do blog que divulguem.







GLORIA GAYNOR - FESTIVAL DE VERÃO SALVADOR - AO VIVO - 2008

Nesta postagem, apresentamos o álbum "Glória Gaynor - Festival de Verão Salvador - Ao Vivo". Apesar do disco ter algumas limitações técnicas, em virtude de ser um show ao vivo, acredito que vale a pena ouvir. Esta cantora se notabilizou na época do estilo "disco", tornando-se a rainha do gênero, com os sucessos Never Can Say Goodbye (1974), Let Me Know (1978), I Am What I (1984) e principalmente I Will Survive (1978).

Em minha opinião, sempre considerei, que pelos seus recursos vocais, ela poderia ter buscado um melhor repertório. Entretanto, se isso ocorresse talvez não tivesse obtido tanto sucesso e nem seria a rainha do gênero. 

Gloria Gaynor, ou melhor, Gloria Fowles, nasceu em Newark, no dia 07/09/1949.  Iniciou sua carreira em um grupo chamado The Soul Satifiers, na década de 1960. Ela foi descoberta em apresentações que realizava em boates com o seu grupo e gravou o seu primeiro singleShe’ll Be Sorry / Let Me Go Baby, mas não obteve sucesso esperado. Seu primeiro sucesso foi Honeybee e finalmente Never Can Say Goodbye, ficando famosa no mundo todo.

Never Can Say Goodbye foi considerada a primeira gravação em Disco Music, tendo sido gravadas versões “extended mix” e sem pausa. Seu maior sucesso da carreira foi I Will Survive, ganhando um Grammy, em 1980, na categoria Disco Music.

Após a fase do Disco Music, Gloria Gaynor continuou lançando álbuns, alguns com releituras de sucesso pop das décadas de 1980 e 1990. Em 2002, lançou o bom álbum “I Wish You Love”. Em 2006, esteve no Brasil, participando no Festival de Verão, em Salvador, onde foi muito bem sucedida, gerando gravação de CD e DVD.

E é justamente esse álbum gravado no Brasil que apresentamos aos amigos do blog.  Ele foi gravado em 2008 e lançado pela gravadora Som Livre. O disco do show contém as seguintes músicas:

1. I am what I am;
2. Never can say goodbye;
3. You're all I need to get by;
4. Just no other way;
5. Just keep thinking about you;
6. Every breath you take;
7. You are the answer;
8. first be a woman;
9. REach out I'll be there;
10. Killing me softly with his song;
11. I never knew;
12. Anybody wanna party;
13. Stop, in the name of love;
14. You'll be mine;
15. I will survive;
16. Can't take eyes off you.


















Links:






===============================================

VEJA TAMBÉM O REPOST DE:

GLORIA GAYNOR - COMPILATION - 2002







quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

HENRY POLLACK - PARA AMAR E RECORDAR - 1997

Em 2011, pela primeira vez, postamos um álbum do violinista Henry Pollack. Para que não sabe, ele era um artista que tocava seu instrumento nas ruas das cidades do Brasil. Fui conhecê-lo em 1998, tocando no centro de Curitiba. Era um tipo diferente, estilo europeu, sempre trajando roupas coloridas, barbudo, de cabelos longos e sempre acompanhado de uma morena esbelta.

O que chamava atenção era a sua capacidade de reunir o povo em volta de seu violino amplificado. Muito animado Henry Pollack convidava a todos para ouvirem o seu show de violino que unia músicas ciganas, clássicos românticos e populares sertanejos. Até a Festa de Peão, sucesso da época da dupla Leandro e Leonardo, ecoou na praça Osório seguida pela melancólica Vou Chorar. Enquanto tocava a morena oferecia os discos do artista de rua.

Segundo a jornalista Marlise Groth, Henry Pollack, 58, era um polonês que aos três anos fugiu da Segunda Guerra com os pais e recebeu abrigo no Uruguai. Apaixonado pela música estudou violino clássico e participou de sinfônicas. Ao sair da universidade de Música, optou pelo popular e montou o grupo Violinos Mágicos que embalou sonhos em diversos países da Europa, Estados Unidos e América Latina, conta. 

Pollack que se orgulhava de já ter sido cumprimentado pessoalmente pelo tenor Luciano Pavarotti e ouvido pelo papa João Paulo 2º, lembrava-se dos tempos em que foi escalado músico oficial de Ieda Maria Vargas, a miss Brasil que chegou a miss Universo. "Eu tocava o violino enquanto ela entrava nos salões. Ela viajava de avião e eu tinha que ir de ônibus", relata.

Nesta postagem, retornamos com mais um disco desse músico de rua, que tanta emoção proporcionou com as suas apresentações ao vivo, nas ruas das principais cidades brasileiras e viveu seus últimos dias em Curitiba.

O disco “Amar e Recordar", gravado em 1997, nos estúdios Isaec e Focus, com arranjos do maestro Wilson Dobbins Barbosa e do próprio  Henry Pollack contém 15 faixas variadas, indo de Love story, Borbulhas de amor, até sucessos sertanejos, sendo:

1. Tudo por amor; 
2. Love story; 
3. Borbulhas de amor; 
4. Fascinação; 
5. Estoy enamorado; 
6. Forever in love
7. Sem medo de ser feliz; 
8. Inesquecível; 
9. Don Juan de Marco; 
10. Eu juro
11. Recuerdos de Ypacarí; 
12. Perhaps love; 
13. Titanic love song
14. Quando um grande amor se faz; 
15. My way; 



 Capa Versão LaPlayaMusic







 Contra Capa Original Cd (Back)



 Selo Original Cd (Label)




Capa Original do Cd
Links:






-------------------------------------------------------------------------------------------------------
VEJA TAMBÉM:

HENRY POLLACK - UM VIOLINO PARA O POVO (Clique Aqui)






quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

SHIRLEY BASSEY - NEVER, NEVER, NEVER - 1973

Para começar o ano, apresentamos o álbum "Never, Never, Never", da cantora Shirley Bassey, lançado em 1973, na Inglaterra, pela gravadora Liberty, com o selo United Artists.
Já no Brasil foi lançado em 1976, pela gravadora Som (Copacabana Discos), com o selo United Artists.

Para variar, o álbum inglês é graficamente mais elaborado do que o brasileiro. Na versão original, o disco tinha uma capa dupla, com uma fotografia da cantora em posição deitada, abrangendo duas folhas de capa, conforme ilustração abaixo. Na versão nacional, é uma capa simples tradicional.

Em minha opinião, considero a cantora Shirley Bassey como uma das melhores cantoras do mundo, pela sua capacidade vocal e afinação. Gosto muito deste disco e do outro (And I Love You So), que já postamos aqui no blog. Espero que também apreciem.

As músicas que compõem a seleção deste álbum são as seguintes:

1. Never, never, never;
2. Baby I'm a want you;
3. Someone who cares;
4. The old fashioned way;
5. I won't last a day without you;
6. Somehow;
7. There is no such thing as love;
8. Killing me softly with his song;
9. Going, going, gone;
10. No regrets;
11. Together;
12. Make the world a little younger.




















Links: