2016

2016

sábado, 20 de fevereiro de 2016

CARLOS ALBERTO - O REI DO BOLERO - 1996

O cantor, pianista e compositor Carlos Alberto (Nuno Soares), nasceu em Astolfo Dutra, Minas Gerais. Aos 9 anos foi para Petrópolis-RJ e aos 18 para Três Rios-RJ. Em Três Rios começou a cantar em bailes sendo até crooner de um grupo. Lá se casou, e em 1963 veio para o Rio de Janeiro pelas mãos do amigo Maurício Farah.

No mesmo ano gravou seu primeiro disco Long Playing - LP onde cantava o sucesso Sabe Deus, versão do bolero Sabrá Dios, de Alvaro Carrillo. Chamado de o Rei do Bolero na década de 1960, é apontado como o cantor que mais gravou boleros no Brasil. Em sua carreira lançou mais de 60 discos.

Lançou em 1965 , pela gravadora CBS o álbum Carlos Alberto canta para enamorados”, com acompanhamento da orquestra de Alexandre Gnattali, interpretando entre outras, as músicas Raiva de ti, de Evaldo Gouveia e Jair Amorim, O nosso amor está morrendo, de Raul Sampaio e Benil Santos, Não sei não, de Othon Russo e Niquinho, Pense em mim", de Antônio Maria, e Tu me abandonastes, de Nuno Soares, Wilson Mussauer e José Silva, além de versões de Clóvis Mello para os boleros Cinzas, de Wello Rivas, Tu, onde estás, de Gabriel Ruiz e Ricardo López Méndez, e Menos que nada, de Chucho Martinez.

Em 1971, lançou disco pela gravadora CBS, que trazia seu nome como título e que teve direção artística de Rossini Pinto, apresentando como principal destaque a canção Rasguei o teu retrato, de Cândido das Neves, e incluiu ainda músicas como Só fiquei com o seu adeus, de Odair José, Perdoa-me, de Rossini Pinto e Álvaro Menezes, Melhor sorrir do que chorar, de Othon Russo e Niquinho, e Eu sou a solidão, de Toso Gomes e Antonio Correia.

No ano seguinte, passou a gravar pela gravadora Continental e lançou disco no qual interpretou Vingança, de Lupicínio Rodrigues, O amor só tem tristeza pra me dar e Eu só conheço a palavra perdoar, de Chico Xavier e Tito Mendes, Amor livre, de Pepe Ávila, e Razão de nossas vidas, de Renato de Oliveira e Ivan Reis.

Em 1977, gravou pela gravadora Som Livre o álbum Esta casa foi nossa”, música título de Roberto Livi com versão de Célio Roberto, e que contou com arranjos e regências de Waltel Branco e Orlando Silveira, incluindo ainda as músicas Recusa, de Herivelto Martins, Encruzilhada, Corre trem, Você é diferente e Basta, de Nuno Soares, Confiança traída, de Waltel Branco e João Melo, Meu pecado, de Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins, e Tango, de Chico Anysio e e Raymond.

Em 1979, voltou a gravar pela gravadora CBS e gravou disco com arranjos e regência do maestro Pachequinho no qual interpretou O que fizestes com as flores, Nem se despediu de mim, A única solução e Conclusão, de Nuno Soares, Instantes, de Alemão e Elzo Augusto, Disfarces, de Ivan Cardoso, Castelo de amor, de Nenzico, Creone e Barrerito, além do clássico tango Mano a mano, de José Razzano, Carlos Gardel, Esteban Flores e G. Ghiaroni, entre outras.

Em 1986, lançou pela gravadora CID o álbum Música e romance” no qual registrou clássicos do repertório romântico como Ronda, de Paulo Vanzolini, Negue, de Adelino Moreira e Enzo de Almeida Passos, Nervos de aço, Nunca, e Loucura, de Lupicínio Rodrigues, Quem há de dizer, de Lupicínio Rodrigues e Alcides Gonçalves, A noite do meu bem, de Dolores Duran, Minha rainha, de Rita Ribeiro e Lourenço Cavalcante, e Quase, de Mirabeau e J. Gonçalves, além do clássico tango Caminito, de J. D. Filiberto e G. G. Peñaloza.

Em 2000, ainda pela gravadora CID lançou o álbum, já em formato Compact Disc, intitulado Minha rainha e outros sucessos”,  com música título de Rita Ribeiro que incluiu ainda sucessos como Ronda, de Paulo Vanzolini, Negue, de Adelino Moreira e Enzo de Almeida Passos, Nervos de aço, de Lupicínio Rodrigues, A noite do meu bem, de Dolores Duran, Talismã, de Michel Sullivan e Paulo Massadas, e Memórias, de Leonardo, entre outras.

Em 2006, apresentou-se no programa Sílvio Santos interpretando a canção Talismã, sucesso da dupla Leandro e Leonardo. Reside atualmente em Petrópolis-RJ e Rio de janeiro, mas não se esquece de sua cidade natal nem de Três Rios que o acolheu com muito carinho e deu a ele o título de "Cidadão Três Rios". Morando em Petrópolis, em 2005, continuou fazendo shows pelo Brasil.

Em sua longa carreira, obteve várias premiações em programas de rádio e televisão, tais como o Troféu Discoteca do Chacrinha e o Troféu Chico Viola. Os prêmios são provas de sua dedicação à música brasileira. Pelas suas interpretações e estilo musical de suas músicas, com ênfase no bolero, até hoje é reconhecido como O Rei do Bolero.

Para homenagear a carreira e o artista Carlos Alberto, resgatamos o álbum “O Rei do Bolero”, lançado no Brasil em 1996, pela gravadora Companhia Industrial de Discos – CID, que apresenta uma seleção que inclui a releitura, em bolero, de canções mais populares, tais como, Agonia (Mongol), Prá você (Silvio Cesar) e Coração vagabundo (Caetano Veloso). Vale a pena conhecer.
Além disso, a seleção inclui uma jóia nacional do bolero, chamada Tortura de amor, composição de Waldick Soriano.

As músicas que compõem essa seleção são as seguintes:

1. Lama;
2. E por isso estou aqui;
3. Atiraste uma pedra;
4. Agonia;
5. A flor e o espeinho
6. Meu dilema;
7. Prá você;
8. Coração vagabundo;
9. Existe alguém;
10. Brigas;
11. Estranha loucura;
12. Franqueza;
13. Tortura de amor.










 Links:







 +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++


 Ver Posagem Original de 10/jan/2014






6 comentários:

  1. Amigo Hedson
    O acompanhamento orquestral faz diferença: Gnattali X ... Indizíveis as ocorrências.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Antônio
      Você tem toda razão.
      Um grande abraço
      Hedson

      Excluir
  2. Prezado Hedson.
    Gostaria que voce postasse a Coletanea - Lafayette Apresenta os Sucessos Vol. 10, do ano de 1972.
    Abraços
    Sila

    ResponderExcluir