2019

2019

sábado, 29 de setembro de 2018

JEAN LAFONTAINE - FOREVER AND EVER - VOLUME 6 (1973)

Em sequência a postagem de fevereiro do álbum da orquestra de  Jean Lafontaine, hoje incluímos o álbum "Forever and Ever - Volume 6", lançado no Brasil, em 1973, pela RCA, pelo selo Camden.

O destaque desse álbum fica por conta das canções brasileiras incluídas em sua seleção e também pela bela modelo e atriz sueca, Janet Agren, que consta na fotografia da capa, bem cotada na época, tendo também aparecido na Revista Manchete.

Como já informamos em nossa postagem de 16/Fevereiro/2018provavelmente Jean Lafontaine era uma orquestra de estúdio da gravadora RCA, já que há poucas informações a respeito. 

Jean Lafontaine era o pseudônimo do maestro, arranjador e pianista Mario Casali, que participava de trabalhos em festivais de MPB, que ocorriam em sua cidade, Casa Branca, São Paulo, conforme informações indicadas na postagem anterior (Álbum "Time For Love - 1975).

As canções que fazem parte da seleção do álbum "Forever And Ever - Volume 6" são as seguintes:

1. Forever and ever;
2. Harmony;
3. O menino da gaita;
4. Only you;
5. Why can't we live together;
6. Como vai você;
7. Don't say goodbye;
8. Tie yellow ribbon round the ole oak tree;
9. My mistake;
10. In time (Poesia);
11. You're the sunshine of my life;
12. I'm feeling my lord.







































Links:






quinta-feira, 27 de setembro de 2018

MAJORITY ONE - BECAUSE I LOVE (EP 1972)

Nesta postagem, resgatamos um compacto simples do grupo Majority One, contendo as canções Because I love e Get back home. O disco foi lançado no Brasil pela gravadora Top Tape, em 1972.

Não se tem muitas informações a respeito desse grupo inglês. Na pesquisa que realizei, descobri que a banda formou em 1964, com o nome “The Mustangs”. Em 1965, foram para Londres e mudaram o nome para “The Majority”.

Eles lançaram oito singles, na Inglaterra, entre os anos 1965 e 1968, pela gravadora Decca, sem chegar às paradas. Em seguida, após mudanças na formação, com o apoio do cantor Barry Ryan, no ano de 1969, a banda foi para a França e deu tudo certo, levando o grupo a se mudar definitivamente. Assinaram contrato com a gravadora Pink Elephant e mudaram o nome para Majority One.

Uma das principais formações da banda foi constituída por: Barry Graham (vocais), Roger France (guitarra), Rob Lond (guitarra), Ken Smith (baixo) e don Lill (bateria).

Nessa gravadora lançaram dos singles de 45rpm, sendo a música Charlotte Rose e o grande sucesso da banda, a música Because I love, que se tornou um hit imediatamente. Essa música foi incluída no álbum Long Playing – Lp que lançariam em 1971, primeiramente na França e Holanda.

O material do álbum é de boa qualidade com influência do pop psicodelismo e em alguns momentos dos grupos Bee Gees e Beatles. Seu som era agradável, em um estilo bem melódico.

Seus grandes sucessos, Because I love e Rainbow Rockin Chair, passaram desapercebidos na Inglaterra. Entretanto, foram sucessos em alguns países, como França, Holanda, Italia, Portugal e Brasil, onde fizeram parte de trilhas sonoras de novelas.

A banda Majority One também lançou algumas faixas sob pseudônimos de “Black Label” e “Rocky Cabbage”. Infelizmente o grupo se desfez em 1971. A seguir a letra da música Because I love:

Because I love (Frank Mizen/R. Long)

Because I love
All day I think of you
You fill my mind full of dreams
Because I love

I see that girl
Though she's far away
She fills my mind full of dreams
Because I love

Love is a game
That we play all the time
There's no rules in this game
Except pride

Because I love
Always she's very weak
She fills my mind full of dreams
Because I love

She fills my mind full of dreams
Because I love

She fills my mind full of dreams
Because I love.



























































Links:






quarta-feira, 26 de setembro de 2018

DOLLAR COMPANY - COUNTRY BEATLES 2 (1986)

Nesta postagem apresentamos uma banda formada em 1980, chamada Dollar Company, ou melhor Dollar Co. Ela era formada cantor Dave Maclean e os irmãos Munhoz (Dorian e Anderson) e a sua proposta era o de tocar músicas country. A realização de dois álbuns de tributo aos Beatles foi o destaque da carreira do grupo, que durou 15 anos. Posteriormente, viria a se chamar Dolar de Prata.

Para quem não sabe, Dave Maclean iniciou musicalmente aos cinco anos de idade. Porém, sua carreira profissional começou, em 1969, com a banda de bailes, chamada "Os Botões". Posteriormente, já se chamando The Buttons, ele começou a gravar em inglês, após receber uma proposta da TV Globo, para gravar temas de novelas (exemplo: Me and You).

Na época, ele obteve a façanha de ter, simultaneamente, quatro músicas entre as dez primeiras da parada de sucessos do México, além de ser sucesso nos países como Filipinas, Equador, Panamá, Portugal, EUA, Espanha, França e Inglaterra.

Emplacando vários hits tais como: Me and you (tema da novela "Ossos do Barão"), Tears (de sua autoria, gravada pelo cantor Christian), Feelings We said goodbye (que ganhou disco de ouro no Brasil e no México), gravada com João alberto no baixo e Mario Testoni nos teclados, ambos da banda "Os Pholhas".

Nesta postagem, apresentamos o segundo volume, lançado no Brasil, em 1986, pela gravadora GEL, antiga Continental, pelo selo Musicolor, com produção artística de Belchior.

As músicas que compõem a seleção deste segundo disco são as seguintes:

1. Here, there and everywhere;
2. Ticket to ride;
3. Eleanor rigby;
4. All you need is love;
5. Yellow submarine;
6. Blackbird;
7. The long and winding road;
8. Hello goodbye;
9. From me to you;
10. Lady madonna;
11. Love me do;
12. Penny lane.














Links:







terça-feira, 25 de setembro de 2018

FRANCK POURCEL E SUA GRANDE ORQUESTRA - LE PREMIER PAS - VOLUME 19 (1975)

Hoje, reapresentamos o álbum "Le Premier Pas - Volume 19", da Orquestra de Franck Pourcel, que já foi postado na internet, porém a maioria das postagens apresenta material incompleto. 

O disco foi lançado no Brasil em 1975, pela gravadora EMI. Espero que gostem. A seguir a lista das canções que compõem o álbum:

1. Le premier pas;
2. She;
3. Nabuco;
4. Sugar baby love;
5. Sweet was my rose;
6. The entertainer;
7. Singing in the rain;
8. Serpico;
9. KV 467 - Andante, de "Elvira Mudigan";
10. When fall in love;
11. Sunny blue;
12. Soleado.



















 Formato K7





Links:






sexta-feira, 21 de setembro de 2018

PAUL DESMOND - BRIDGE OVER TROUBLED WATER (1970)

Nesta postagem, apresentamos mais um tributo a dupla Simon & Garfunkel. O da vez é o álbum “Bridge Over Troubled Water”, do músico americano Paul Desmond, disco que aprecio muito.

Seu nome verdadeiro era Paul Emil Breitenfeld, nascido na cidade de San Francisco, Califórnia, USA, no dia 25 de Novembro de 1924 e morreu em 30 de Maio de 1977. Em sua trajetória musical foi saxofonista e compositor de jazz. Ficou famoso por tocar no quarteto de Dave Brubeck, entre 1959 e 1967. Fez parte do West Coast Jazz, e uma das suas composições mais notáveis é Take Five.

Paralelamente ao seu trabalho com Brubeck, Desmond também tocou com Gerry Mulligan, Jim Hall e Chet Baker. Sua saúde era debilitada em virtude de ser um fumante inveterado, tendo morrido de câncer do pulmão, em 1977, após ter feito uma última turnê com Brubeck.

Os seus primeiros sucessos foram vividos em Nova Iorque, tendo iniciado a sua carreira tocando violino. Todos os anos, Desmond tocava clarinete na escola San Francisco Polytechnic High. Mais tarde, ao entrar na escola San Francisco State College, Desmond começou com saxofone alto. Neste mesmo ano, é recrutado para serviço militar e se junta a banda do exército.

Após o fim da 2ª Guerra Mundial, Paul Desmond inicia um trabalho em Palo Alto, na Califórnia, na Bandbox. Trabalhou, também, com Dave Brubeck no Geary Cellar, em São Francisco. Em 1950, Desmond vai para Nova Iorque, e toca saxofone e clarinete, com Jack Fina. Logo depois, porém, regressa à Califórnia, após ouvir o trio de Dave Brubeck na rádio.

Desmond conheceu Brubeck em 1944, quando ainda estava na tropa. Brubeck tentava fazer parte da Banda do Exército nº 253, que Desdmond pertencia. Entretanto, Brubeck foi enviado para uma frente de guerra em 1944.

Após convencer a Brubeck a contratá-lo, depois de ter colaborado com Jack Fina, ambos assinam um contrato. Neste acordo, é indicado como líder do grupo e lhe é atribuído vinte por cento de toda a receita gerada pelo quarteto.

O Quarteto de Dave Brubeck foi criado em 1957, terminando em Dezembro de 1967. O quarteto tornou-se popular no meio estudantil universitário, tocando de várias vezes em faculdades, como é o caso do álbum de 1953, “Jazz Em Oberlin”, na faculdade de Oberlin , como gravações no campus universitário de Ohio. O seu sucesso deu-lhes uma reportagem na revista Time Magazine, em 1954.

O grupo tocou até 1967, altura em que se concentrou na composição musical. Nos anos 1970, Desmond junta-se de novo com Brubeck, para várias turnês. Em 1976, Paul Desmond efetuou 25 concertos em 25 noites, com Dave Brubeck, viajando pelos EUA.

Em junho de 1969, Desmond participa do festival de jazz de Nova Orleans, ao lado de Gerry Mulligan. Em 1974, durante uma turnê “Duas Gerações” de Brubeck, Desmond e Mulligan, tocaram juntos. Contrastando com Brubeck, Desmond identificou-se com Mulligan, compartilhando os mesmos interesses.

Após algum tempo inativo, Desmond foi convidado para tocar no Half Note, em Nova Iorque, em 1971, pelo guitarrista Jim Hall. Desmond também participou do Modern Jazz Quartet, num concerto de Natal, em 1971, no New York Town Hall.

Através de Jim Hall, Desmond conhece Ed Bickert em Toronto, Canadá, e realizou vários shows em vários clubes, com designação de Paul Desmond Quartet, no festival de jazz de Edmonton.

Paul Desmond tinha um estilo de tocar mais melódico, ao estilo de “cool jazz”. Seus shows eram sempre bem aceitos, com altas taxas de ocupação, tornando-se um dos membros mais conhecidos da Costa Oeste do Jazz.

Em seu testamento, Paul Desmond deixou todos os direitos da música Take five para a Cruz Vermelha. Os trabalhos de Paul Desmond (The Paul Desmond Papers) encontram-se na Biblioteca do Pacífico, nas Coleções Especiais Holt-Atherton.

Fonte: Wikipedia, setembro/2018

O álbum desta postagem foi lançado nos Estados Unidos, em 1970, pela gravadora AM. A seleção de músicas escolhidas do repertório de Paul Simon & Art Garfunkel são as seguintes:

1. El condor pasa;
2. So long, Frank Lloyd Wright;
3. The 59th street bridge song (Feelin' groovy);
4. Mrs. Robinson;
5. Old friends;
6. America;
7. For Emily, whenever I may find her;
8. Scarborough fair-canticle;
9. Cecilia;
10. Bridge over troubled water.







































Links:






terça-feira, 18 de setembro de 2018

FRANCK POURCEL - E SUA GRANDE ORQUESTRA E UM MUNDO DE MELODIAS - VOLUME 10 (1970) REPOST

Desta vez, reapresentamos o álbum Volume 10, da Orquestra de Franck Pourcel, lançada no Brasil em 1970, pela gravadora EMI / Odeon, incluindo melhorias no material de áudio e gráficos. Esse mesmo volume, posteriormente foi lançado no Brasil com outra capa, abaixo ilustrada.

O destaque do álbum, como sempre é a seleção com releituras próprias. Também há curiosidades, tais como, o título da faixa 7, In The Year 2525 e a última Love At First Sight, que se trata da famosa canção de Serge Gainsbourg, Je T'Aime Moi Non Plus, que  no entanto não é nominada em francês. Só fui saber quando a ouvi. 

As músicas que compõem essa seleção são as seguintes:

As músicas do disco são:
1. Midnight cowboy;
2. I'll never fall in love again;
3. La pioggia;
4. Quentin's theme;
5. The lonely season;
6. The day you came along;
7. In the year 2525;
8. The way it used to be;
9. Acqua di mare;
10. Love me tonight (Alla fine dela strada);
11. The world around us;
12. Love at first sight (Je t'aime moi non plus).



























Capa Alternativa (Alternative Front) 


Links:






segunda-feira, 17 de setembro de 2018

DOC AND PROHIBITION - SUPERMAN (EP 1973)

Nesta postagem, apresentamos um Compacto Simples (EP), do grupo Doc And Prohibition, contendo a música Superman, que fez parte da trilha sonora da primeira versão da novela "Selva de Pedra Internacional", de 1972. Em seguida ela teve uma releitura de Erlon Chaves e a Banda Veneno e uma versão com The Fevers.

Em 1973, este compacto fez muito sucesso na Italia e Espanha. Em 1974 foi lançado nos Estados Unidos pelo selo Laurie Records e na maioria dos países pelos selos Aztec, Boccacio, Satril e San Martin. No Brasil ele foi lançado em 1972, pela Companhia Industrial de Discos - CID, com o selo Square, sendo bem tocada nas rádios locais.

Infelizmente, não obtive informações sobre a banda ou a sua formação. Quem souber, por favor me informe.

Neste resgate, como bônus, incluímos a versão em português, interpretada pelo grupo The Fevers. As canções do compacto são as seguintes:

Lado A:
1- Superman;

Lado B:
2. Nothing is changed;

Bônus:
3- Superman (The Fevers).





 Capa (Front) Edição Espanha - 1973





 Contra Capa (Back Cover) Edição Espanha - 1973





Selo (Label) Edição Espanha - 1973






  Capa (Front) Edição Brasil - 1972 (Postada em 2009 no blog Só Musica)




Selo (Label) Edição Brasil - 1972





 Selo 2 (Label) Edição Brasil - 1972





  Capa (Front) Edição França - 1973




 Selo (Label) Edição França - 1973





  Capa (Front) Edição Italia - 1973





 Selo (Label) Edição Espanha - 1973





Selo (Label) Edição USA - 1974
Links: