2016

2016

domingo, 13 de janeiro de 2013

CARLOS MONTEIRO DE SOUZA - AMADA AMANTE E OUTROS SUCESSOS - 1971

Desta vez comentaremos sobre um instrumentista, arranjador, compositor e maestro brasileiro que teve atuação destacada no meio musical, durante décadas, principalmente nos estúdios das gravadoras do Brasil. Apesar disso, não teve o destaque da mídia como mereceria e também há pouca informação sobre a sua formação e carreira.

Trata-se de Carlos Monteiro de Souza, nascido em Niterói, Rio de Janeiro, em 1916 e falecido na mesma cidade em 1975. Apesar da pouca informação, sabe-se iniciou sua carreira na década de 1930, ainda como acadêmico e que surgiu como arranjador na década de 1950, no Rio de Janeiro. Foi um dos criadores do grupo vocal e instrumental “Os Quatro Diabos”, com o qual gravou três discos, além de realizar apresentações em rádios, como a Mayrink Veiga e em filmes, como “Alô, Alô, Brasil”, de Wallace Downey.

Era primo do compositor Ronaldo Monteiro de Souza, estudou na Faculdade de Direiro no Rio de Janeiro e em Conservatório de Música. Foi arranjador da gravadora Odeon, Companhia Brasileira de Discos, posteriormente Phonogram e da CBS.

Na gravadora Odeon lançou, em 1972, sete álbuns com o pseudônimo de Maurice Monthier e Sua Grande Orquestra. Outro álbum de destaque foi “Metais em Brasa Bossa Nova”, seguindo a onda do maestro americano Henry Jerome. Outros álbuns foram: “A Saudade é Mulher”, “Duas Notas”, “Em Outubro Vou Pagar”, “Férias de Julho”, “Não”, “Ouve Meu Amor”, “Prá Frente”, “Amada Amante” e outros.

Nesta postagem, compartilhamos o raro álbum “Amada Amante e Outros Sucessos”, lançado em 1971, pela gravadora CBS. Quando ouvimos esse disco imediatamente nos remeteu ao estilo adotado pela Orquestra e Côro de Ray Conniff, só que cantadas em portugûes. Destacam-se além do repertório, os arranjos e coros aplicados nas canções. As músicas do disco são as seguintes:

1. Tarde demais (It’s to late); 
2. História de Amor (Love Story); 
3. De tanto amor; 
4. Você abusou; 
5. Não vejo a hora (L’ ora giusta); 
6. Prá começo de assunto (La, la, la); 
7. Se (If)
8. O fim (The end); 
9. Amada amante; 
10. Menina da ladeira; 
11. Bye bye (Sing sing Barbara);
12. Anonimo veneziano.













7 comentários:

  1. Respostas
    1. Oi Theo
      Valeu.
      Obrigado pelo apoio ao blog.
      Hedson LaPlaya

      Excluir
  2. Jorge Luiz Pizzolo14 de janeiro de 2013 12:26

    Hedson excelente esse disco, eu tive esse vinil e curti muito, eu considerava o Carlos como se fosse o Ray Conniff brasileiro. Eu nem lembrava mais desse disco, eu nasci e vivi minha juventude no oeste do Paraná, próximo a Foz do Iguaçu. Fui trabalhar em Manaus por onde fiquei alguns anos, na época eu tinha aproximadamente 3.000 vinil, como era impossivel levar os disco eu os presenteei a um amigo e esse foi um deles.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jorge
      A postagem já valeu por essa lembrança, pois tive grande dificuldade para recuperação desse vinyl, em função do precário estado do aúdio e principalmente da capa e contracapa,me levando a trabalhar aos poucos no Photoshop por mais de dois meses.
      Obrigado pelo apoio ao blog.
      Hedson LaPlaya

      Excluir
  3. Hedson

    Estou ouvindo o disco. Realmente muito bom. Gostei demais. O interessante é a inclusão de "Bye, bye" e "Anônimo veneziano", ambas gravadas pela Wanderléa num compacto simples. Muito obrigado. Abs.

    ResponderExcluir
  4. Hoje dia 26 de janeiro de 2014 - domingo - acordei e resolvi voltar / relembrar aos bons / excelentes anos musicais que não voltarão.

    Busquei na minha simples e humilde discoteca as grandes orquestras dos nossos excelentes e inesquecíveis maestros tais como Renato de Oliveira e sua Orquestra Entré em MELODIAS IMORTAIS, Lyrio Panicali e seus dois LPs de Sucessos, Severino Araújo e sua orquestra Tabajara, Waldir Calmom, Ribamar e tantos outros.

    Já o Carlos Monteiro de Souza e sua Orquestra e Côro eu tenho além de Amada, Amante pela CBS tenho um outro do selo "PARLOPHONE / ODEON" denominado: "E NÓS... AONDE VAMOS?"

    Desde o meio-dia estou curtindo em um som mais ou menos alto para que a atual geração ouça o que era e é realmente música da nossa Juventude dita "Transviada".

    Assim sendo... meus PARABÉNS caro Hedson La Playa por esta iniciativa.

    Vê se dá para colocar no "You Tube" para que outros possam ouvir e conhecer o Carlos Monteiro de Souza

    J. Reis Dualibi

    ResponderExcluir
  5. Teria como reativar o link para download?

    ResponderExcluir