2016

2016

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

THE PLASTIC COW - GOES MOOOOG - 1970

No dia 14/12/2012 postamos o compacto duplo em vinyl da banda The Plastic Cow, editado no Brasil. Desta vez estamos compartilhando, a pedido do amigo do blog Peter Hammil, o álbum completo, lançado em 1970, nos USA, pela gravadora DOT Records. No Brasil foi lançada pela gravadora Fermata, com o selo RGE.

Para lembrar, este trabalho foi produzido pelo tecladista Mike Melvoim, que aproveitou a onda da música eletrônica, surgida nos anos 1960, para lançar o álbum The Plastic Cow Goes Moooog Synthesizer, tocando sucessos de rock do final dos anos 1960, com a sua banda The Plastic Cow.

Confesso que esperava mais das outras faixas do disco. Em minha opinião, as melhores músicas ainda são Lady Jane e Lay lady lay. Mas ouçam e me comente as suas opiniões. As faixas do álbum são:

1. Medicine men;
2. Spinning wheel;
3. Lady Jane;
4. The ballad of John and Yoko;
5. Tomorrow, tomorrow;
6. The Plastic Cow;
7. Born to be wild;
8. One man, one volt;
9. Brown Arms In Houston;
10. Lay lady lay;
11. One;
12. Sunshine Of Your Love.
















4 comentários:

  1. Hello, good people...

    Realmente.....as músicas selecionadas para o compacto duplo (postagem anterior) são as melhores...também esperava mais....

    Vale o registro e o mais importante: um álbum RARO e praticamente desconhecido aqui no Brasil!!!

    """█▓▒░ ★ Life Gets Sweeter Everyday ★ ░▒▓█"""

    Peter Hammill - SP

    ResponderExcluir
  2. Pra piorar, o LP brasileiro trazia só 10 músicas, excluindo duas do compacto duplo. Mas mesmo assim esse disco é melhor e mais audível do que muitos outros similares da época, que hoje ninguém mais conhece. Tenho um outro compacto duplo de artista similar e seria preciso ouvi-lo para reavaliar este LP, bem superior. E é perigoso algum pesquisador futuro sobre o início da "música eletrônica", ignorar toda a bate-estaca multi-rótulos dos anos 90 e acreditar que este disco é que representou a música eletrônica. Há toda uma inversão praticada pela indústria e pela mídia, e o conhecedor tem que ele próprio saber o que é música e o que não é. Além disso o uso do moog, mini-moog manchou um pouco a música dos anos 70, tornando parte dos arranjos datado. Já com o órgão eletrônico, ou eletro-acústico, quando não abusado em arranjos heavy, isso não ocorreu: continua estimulante, ou envelheceu como bons vinhos e licores especiais, como a obra dos organistas de jazz, mesmo quando iam para o hit parade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carlos Ribeiro
      A industria fonográfica brasileira cometia essas atrocidades em excluir ou incluir canções, de alterar a capa ou simplesmente não colocar informações.
      Quanto a questão do inicio da música eletrônica, acredito que cada experiência colaborou com a evolução da música. Em minha opinião o que vale é ousar. O tempo dirá se foi bom ou ruim.
      Valeu sua opinião...
      Hedson LaPlaya

      Excluir